We got no money

Seja bem-vinde ao Kakumei!
Que 2018 seja um ano de muita prosperidade e amor para todo mundo!
Fique à vontade para olhar por aí e não se vá sem dar um oi, okay?
Este é um blog pessoal e intransferível que pertence à mim.
Obrigada pela sua visita, espero te ver novamente! o/



POSTAGEM PROFILE KAKUMEI


But we got heart

Tenie/Sté/Teh/Steph. Touro [30/04] do ano do Cachorro. Acredita em horóscopo e gosta de MBTI. Graduada na USP. Vir-a-ser Escritora. Bookaholic em crise. Desenhista quando dá na telha. Cantora de chuveiro.
Lufa-Lufa de cabo a rabo. Gosta de musicais, mangás e hqs, desenho animado, doramas, séries, filmes e o que mais vier.
Like romantic things like musicals and martial arts' movies. So whyyyyy don't I have a boyfriend? F***K! It sucks to be me!
Desventurando-se em série desde 1994. Ainda vai encontrar seu propósito.

Dah Squad


Livros, Nipon e Blá,blá,blá
Tomorrow

Todo mundo é bem-vinde, é só chegar mais!

Participo

Arquivos

Créditos
[TOGETHER] O estranho caso do glacê da meia-noite
Postado por Tenie | sábado, 28 de abril de 2018 | 1 Comentários | link to this post
Hoje tem Together, galera!
Eu escrevi este conto em 30 minutos no último dia antes de fechar o prazo, então. Eu estou me dando tapinhas nas costas agora.
Meu conjunto de palavras era o 11: Vampiro, correio e glacê.
Não sei qual o estado desta budega, mas está aí. As palavras obrigatórias estão sublinhadas, pra não confundir com as palavras que têm ênfase, que estão em itálico.
Bom, tem uns palavrões e algumas menções a sex toys e coisas lowkey impróprias pros di menor. Por favor, atentem pra classificação 16 anos do conto hahahaha



O estranho caso do glacê da meia-noite

Quando o moço do correio me entregou a caixinha parda sem nenhuma marca ou identificação de empresa, eu tive certeza que aqueles eram os dildos que eu tinha comprado depois de muita, muita pesquisa. Sex toys são investimentos de alto envolvimento, como vocês devem saber, e obviamente demandam pesquisa e dedicação.
E eu certamente não queria ninguém com olho grande nas minhas particularidades, portanto, eu fiquei muito satisfeita que a caixa não tinha identificação. Só achei duas coisas meio esquisitas: meu nome não estava na etiqueta de destinatário, mas o meu endereço estava, então eu meio que deixei isso quieto; e a forma estranha como o carteiro me entregou o pacote e disse, em um tom sinistro:
-Faça bom proveito disso e cuide bem dele.
Eu não respondi, mas acho que não havia ninguém mais vermelha ou encafifada que eu naquele dia, num raio de 3 km.
Entrei em casa meio puta, meio desconfortável... Caramba, será que ele olhou dentro da minha encomenda? O lacre estava okay, mas vai saber! Ele trabalha pros Correios, fita pra fechar caixa é o que não deve faltar, certo?
Mas nada disso realmente importava! Eu estava muito animada porque o feriado seria prolongado e a minha encomenda tinha chegado bem a tempo de eu me isolar da sociedade por três dias inteiros para cuidar da minha frustração sexual. E, acima de tudo, evitar contato humano. Aaaaah, a vida é boa, não?
Estava tudo bem, até que eu abri a caixa, tirei todos os isorporezínhos em forma de S do meu caminho e cheguei ao produto... Não eram meus dildos anatomicamente confortáveis e em cores fofas.
Era uma porra de um caderninho de receita da vovó. UMA PORRA DE UM CADERNINHO DE RECEITA DA VOVÓ!
Meu feriado prolongado pra cuidar da frustração sexual estava arruinado! Eu tinha todo o direito de estar puta naquela hora, e tenho todo o direito de permanecer emputecida.
Confesso, era um caderninho jeitosinho, com capa de courinho e umas estampas douradas. Nem parecia um caderninho de receitas, mas quando eu abri - e abri mesmo, se 'tava comigo, eu tinha direitos! - estava escrito em caligrafia bem fresca. E chamo de fresca, porque esse lance de caligrafia cheia de voltas e o caralho é frescura (N/A: Tenie gosta de caligrafia, diferente da personagem):

O grande livro de receitas sombrias de Vovó Calista

É de cair o cu da bunda! Como uma porra dessas veio parar na minha casinha? Eu nem tenho uma ancestral chamada Calista! Eu nem gosto de cozinhar!
Ah, por que eu? Dentre todas as pessoas, por que eu?
Fiquei os próximos momentos jogada no sofá, xeretando o caderninho só de raiva. Tinha umas receitas bem esquisitonas, com sangue e gente morta e lances ritualísticos e menções a criaturas sobrenaturais... Alguém tinha que estar me zuando! Eu estava sendo vítima de alguma câmera escondida ou alguma coisa assim.
Dentre todas as receitas escritas por um adolescente emo dos anos 2000, o carro-chefe da palhaçada parecia ser um tal de Glacê da Meia-Noite, feito de um vampiro para os outros vampiros, e que incluía vários rolês como uma colher de café de medula recém-extraída, dois copos de sangue de virgens e aquafaba - porque obviamente tudo fica mais legal se for vegano e se ninguém tiver comido seus humanos antes de você comê-los literalmente.
Aparentemente, Vovó Calista passou a vida toda procurando formas de tornar a dieta sobrenatural menos nojenta e realmente saborosa. Eu estou cagando pra dieta dos vampiros, dos lobisomens, do chupa-cabra e do pé grande!
Meu feriado está arruinado, eu não quero que ninguém tente me animar!
Isso é falta de respeito com a mulher trabalhadora atrás de diversão privativa e pouco inocente! O que eu devo fazer agora? Sair e socializar????? Entrar em um aplicativo de pegação e marcar com um cara que não acharia um clitóris nem se o Google Maps narrasse o caminho pra ele????????
AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAH!
O mundo é mau e cínico.

Eu quase caio da cadeira quando, enquanto ouço Men at Work e trabalho em uma planilha de programação, alguém do correio grita do portão. Eu pego a outra caixa, com o caderninho jogado lá dentro de qualquer jeito, e corro pra atender.
É o mocinho fofo que sempre entrega coisas aqui. Ele me entrega a caixa, sem identificação, mas com meu nome lá na etiqueta - para meu alívio total e completo - e eu assino aquele papel que eu tenho que assinar.
Antes que ele vá, eu pergunto da outra caixa, querendo muito me livrar dela, esperar até às 18h e dar início ao feriado do pecado, if you know what I mean.
Ele olha para a caixa e, um pouco confuso e bastante sem graça, diz que não foi entregue pelos correiros, provavelmente. E, de fato, nem selo tem. Merda.
Volto pra minha casinha. Deixo o caderninho de Dona Calista em cima do sofá enquanto abro o meu pacote e, ladies, gentlemen and people in general, assim que meu home office acabar, posso dar início aos trabalhos do Feriado do Pecado!
Eu não sabia o que ia fazer com o caderninho emoxinho, mas eu também não estava nem aí.

Dez da noite, eu estou me divertindo e já até esqueci a porra do caderninho, quando alguém bate na porta. Dez da fucking noite e alguém vem bater à minha porta?
Eu sei que eu estou a fim de uma sacanagem neste feriado, mas não este tipo de sacanagem!
Fico quieta, fingindo de morta. Seja lá quem for, vá embora! Eu não vou colocar um sutiã de novo até a próxima Terça-feira.
Dali a um tempo, a pessoa desiste. Eu volto pros meus negócios. Francamente, quem eu preciso matar pra poder gozar em paz?
Tem um barulho de janela quebrada na minha sala, mas quem liga?
... Não, espera. O que eu ouvi onde?
Porra, tem um barulho de janela quebrada na minha sala!
Eu tranco a porta e pego o taco de beisebol debaixo da cama. É para momentos assim que eu tenho um isso, algo que eu nunca usei e nunca vou usar para jogar beisebol, porque ninguém joga beisebol neste país. Mas eu preciso me defender e, neste ponto, ele vai servir e vai ser menos suspeito que ter um porrete com pregos na ponta.
Eu me enfio no roupão mais felpudo e ridículo do mundo - realmente, vai ser embaraçoso lutar com um invasor em um roupão roxo com bolinhas brancas, mas okay, é o que tem pra hoje.
Eu abro a porta do quarto e saio no corredor, indo até a sala pé ante pé. Tem um vulto misterioso debruçado sobre o meu sofá. Eu não quero morrer hoje, pra polícia chegar aqui amanhã e achar minhas coisas no meu quarto.
Morrer não é uma opção. Aliás, a única opção é bater no malparido e aí chamar a polícia.
E é com isso em mente que eu corro e dou uma cacetada no invasor, mesmo quando ele se vira, chia e, puxando a capa sobre a cara, toma uma cacetada na cabeça do mesmo jeito e cai de bunda no chão.
Eu olho pro sofá e lembro da vovó Carlota e tal. Isso não justifica, mas explica. O sujeito vai apanhar ainda assim, pra aprender a ter modos.
Ele continua dando a performance mais decadente de Drácula já dada, ainda tentando pegar o caderninho. Eu vou batendo nele pra fora de casa, não tô nem aí, e vai embora engatinhando, sem o caderno ou qualquer resquício de dignidade.
-E não volte nunca mais!

Meu feriado está arruinado. Eu penduro todas as cabeças de alho da casa na janela - que vai ter grade sim, pronto e acabou! - e fico trancada no quarto a noite toda, pesquisando um vidraceiro que trabalhe de fim de semana. E, não bastasse, tem algum celular tocando em algum lugar, mas não é o meu.
Uma vez que amanhece, eu descubro o que andava apitando a noite toda. Parece que a criatura da noite perdeu também o celular, além da dignidade.
Ele tem várias mensagens e nenhuma senha. O celular, como o caderno, está na minha propriedade e eu vou xeretar sim.

Neste exato momento, eu estou vestida - eu coloquei um sutiã antes da Terça-feira, maldito seja! - e esperando pacientemente escurecer, porque aparentemente o filho da noite morava aqui, mas os descendentes não avisaram que iam vender a casa e pegar a grana. Ele está esperando esse caderninho maldito há uns 30 anos, e achou que seria seguro mandar para algum lugar longe da concorrência do restaurante dele. Ele está fazendo uma propaganda forte em cima do tal Glacê da Meia-Noite. Eu não ligo, não quero ligar e tem raiva de quem liga pra essa desgraça!
Eu só estou assim tão solícita porque ele disse que ia pagar a janela. O taco está em mãos, porque eu entendo, mas não perdoo.
Para todos os fins, meu feriado está arruinado e eu odeio vampiros decididamente.
Ahhhhh, a vida é injusta, eu continuo frustrada e agora estou puta. Valeu, Vovó Carlota e esse glacê não sei das quantas!


E fim. Eu escreveria mais tbh.
Bom, estamos abertas a críticas construtivas, sim e sim. Fiquem à vontade para deixar suas críticas e comentários.
E, por hoje, é isso.
Não esqueçam de checar o resto dos contos do pessoal do Together!
Tenham um bom feriadão pra quem emenda - not me, então - e bom finde pra todo mundo!
Kisus, kisus

Marcadores: , , , , ,



[TOGETHER] I have to say I love you in a song
Postado por Tenie | quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018 | 0 Comentários | link to this post

Olar colegas! Tudo bão?
Venho rapidinho garantir meu lugar no Together. 2018 começou com tiro, porrada e bomba, e eu estava sem vontade de blogar com tudo o que rolou.
Mas eu estou tentando voltar. Tentando me arrumar e me sentir confortável de novo.
Bom, vamos ao post!

Neste mês, pra comemorar o Valentine's Day, o tema do Together é Uma OST Romântica. Meme de música???? AMOOOOOO!
A ideia é montar uma trilha sonora de um filme romântico, seguindo o roteirinho que a Shana-chi nos propôs. E nós sabemos que essa Shana é danada de boa em criar roteiros - vide o Together de Dia das Bruxas, non? Sucesso total!
Esse roteirinho fisgou meu coração porque, recentemente, ya girl was in love e não deu muito certo - do tipo, não deu nem pra começar, não tinha chance nenhuma. E tudo bem, né? É a vida.
Ló-gi-co que a protagonista sou eu. Le mocinhe está em gender neutral because of reasons.
Alguns eu usei o shuffle. Outros eu dei shuffle várias vezes até sair algo que eu quisesse hahahaha
Então, vamos lá! Kiss kiss fall in love, coleguinhas!



Primeiramente: qual o nome do filme?

I have to say I love you in a song 
(Saído diretamente de um musical, da música Mixtape, de Avenue Q)

1. Créditos iniciais do filme
Unloveable - The Smiths
'And if I seem a little strange
Well, that's because I am'
[Esse saiu no shuffle e é maravilhosamente perfeita, decidi deixar. Eu colocaria vários quotes dela, na verdade, ela é toda perfeita. Eu entendo o sentimento da música e acho que é perfeita pra mim, num geral. Eu amo o The Smiths também, vocês perceberam]

2. O casal principal se encontra pela primeira vez
Sand in my shoes - Dido
'I know we said goodbye
Anything else would have been confused
But I wanna see you again'
[Eu tinha um romance que eu escrevia usando essa música. Dido é outra cantora que eu amo e já chorei muuuuuuito ouvindo essa música por causa de um crush de colégio. Eu amo, acho ela tão fofa e ela sempre me faz lembrar de parquinhos de diversão, que têm o chão de areia. Eu tenho boas lembranças desse tipo de lugar]

3. Começa a rivalidade entre o casal
Flesh and bone - The Killers
'What are you afraid of?
What are you made of?
(...)
And I'm running out of time'
[Vocês logo vão aprender o quanto eu estou amando o The Killers desde ano passado. E Battleborn é meu álbum favorito deles. Flesh and Bone é só o meu top 3 favoritas dentro de Battleborn. E daria uma sequência daora, com montagens dos dois se esforçando e sendo competitivos e sendo eles mesmos e sendo fofos e se aproximando aos poucos. A verdadeira música do casal, eu diria?]

4. A Protagonista conversa com ume amigue e fica pensativa...
Learning how to love - Colony House
'Take me
You took my hand and said trust me
You took my heart and said love me
With who you are
Not with who you were' 
[Outro ponto pro shuffle. Eu gosto de uma música do Colony House e ela nem é desse álbum. Agora gosto de duas. Achei essa música muito fofa???? Por favor, ouçam???? Ela é muito fofa!!!!]

5. A protagonista percebe estar apaixonada
End of the day - One Direction
'And you follow your heart, even tho it'll break'
'Love can be frightening for sure' 
[Eu gosto de 1D muito, muito, muito! Sem vergonha nenhuma, eu adoro a banda e ainda é um pouco triste que eles tenham se separado. Essa música eu ainda não tinha ouvido, mas é uma música bem 1D e, portanto, gosto hahaha]

6. O primeiro encontro oficial do casal
Such great heights - The Postal Service
'They'll see us waving from such great heights
Come down now, they'll say
But everything looks perfect from far away
Come down now, but we'll stay'
[Essa é outra que nunca falha em me fazer chorar. Eu acho que ela é a minha balada de amor, por motivo nenhum, ligada a ninguém. Só a Balada de amor da Tenie. Se vocês querem uma música bem Tenie, esta é ela. E nenhuma outra música seria mais adequada para o primeiro encontro que a música que aquece meu coração - e ela tem todas as vibes de um encontro dos sonhos, onde você e seu amorzinho estão tão conectados que estão num mundo a parte. E, pela primeira vez, ouvi-la me fez mais calma do que ela geralmente faz.]

7. E logo depois, a primeira briga
Sorosoro Ikanakucha - Suga Shikao
'Enough excuses, I've got to get going soon'
[Não seria filme romântico da Tenie sem Suga Shikao. Shikao é uma das coisas que eu trouxe da adolescência e, de fato, provavelmente o único cantor japonês que eu realmente, realmente gosto. Essa música esteve em Honey & Clover, que eu não vi até o final, mas que era uma paixão de um crush meu do colegial. Traz alguns sentimentos, mais por mim mesma que pela pessoa. Acho que essa foi a primeira vez que eu não chorei ouvindo essa música e isso é muito, muito legal.]

8. O momento bad vibes da protagonista
Youth - Daughter
'Destroy the middle, it's a waste of time
From the perfect start to the finish line'
Medicine - Daughter
'You could still be who want to
What you said you were when I met you
You've got a warm heart, you've got a
Beautiful brain
But it's disintegrating
From all the medicine'
Smother - Daughter
'I want all that is not mine
I want them but we're not right'
[Não pude escolher uma só. A Daughter é minha banda da bad, a banda da foça, mas também a banda pra ouvir e pensar "Okay, hora de seguir adiante". Eu adoro o som deles aliás. Me lembra um pouco Florence + the Machine. Youth foi a primeira música que eu conheci e eu ainda me identifico muito com ela. Medicine sempre foi a música que me fez chorar mais que tudo, e ela andou embalando um dia especialmente ruim recentemente - em relação a esse crush que nem começou. Smother é outra que eu gosto e que está aqui porque combina super com o momento foça da protagonista. É a Santa Trindade da foça pra mim. Mas, dessa vez, não chorei ouvindo nenhuma, o que me parece bom, um progresso, maybe?]

9. Le mocinhe percebe que não pode perder a protagonista
Stars and the moon - Audra McDonald (da peça Songs for a New World)
(Alternativo: John Tartaglia canta Stars and the Moon)
'I'll give you the stars and the moon and a soul to guide you
And a promise I'll never go"

[Eu AMO AMO AMO AMO essa música! Ela é uma montanha-russa: romântica, engraçada, triste, seca e açucarada, suave e brutal... E também é a primeira vez que eu ouço sem chorar. Talvez porque eu tenha percebido que sua vida não acaba só porque você não ficou com o cara x ou y, que você continua crescendo e se movendo mesmo assim. Mas, quanto a essa música, eu acho que o interlocutor tinha que ter ficado com o primeiro amor da música]

10. E vai atrás dela!
Incondicionalmente - Capital Inicial

[Eu escolhi essa especialmente, não vejo essa história completa sem essa música. Basicamente, a música que me fez gostar de Capital. Eu descobri essa música há mais de dez anos, em uma songfic Milo de Escorpião x Camus de Aquário, no tempo em que havia muitos sites de fanfics yaoi hospedados no Geocities. Essa música ainda causa um puta efeito em mim, sem dúvida. E daria uma puta cena, le mocinhe correndo para alcançar sua amada Tenie antes que ela parta sem que elu possa dizer que a ama e que vai esperá-la ou algo assim TwT]

11. Eles ficam juntes e vivem felizes para sempre~
You make my dreams - Hall & Oates

[Fazedores supremos de baladas românticas. Se não tivesse Hall & Oates, não ia ser eu. Essa, em especial, eu amo. Tipo, tem algo que eu não ame aqui? Não, mas né.]

12. Créditos finais do filme
Stephanie - Lindsey Buckingham & Stevie Nicks (1973)

[Outra coisa que eu achei por acaso na minha biblioteca. Essa foi meio roubada, confesso. Eu nem sabia que tinha esse álbum da Stevie aqui e fui fuçar e achei essa música toda instrumental e fofa à beça. Não resisti. Ela tinha saído pra rivalidade, mas decidi trocar a posição dela, encerrar com uma instrumental.]


E foi isso, porpetas!
Deu uma vontade de realmente escrever uma história disso. Bom, veremos!
Faço questão de ir no de todo mundo pra ver, adoro coisas musicais e com histórias hahaha
E ficamos por aqui hoje.
Tomem cuidado!

Kisus kisus

Marcadores: , , , , ,



New year, new lay
Postado por Tenie | quarta-feira, 17 de janeiro de 2018 | 0 Comentários | link to this post
Heyo, amigues! Estou de volta ao Kakumei!
Mais ou menos. As coisas estão bastante corridas...
Eu finalmente me formei, o que significa que eu sou oficialmente desempregada e as buscas não vão melhorar muito antes do final do carnaval.
Em compensação, terminei um livro que fazia muito tempo que estava entalado na minha vida e comecei a reler meu romance policial favorito - O preço da inocência, de John Creasey (mas ele publicou sob um pseudônimo, eu sempre me esqueço disso) - então meu humor está melhorzinho, em termos literários.
Eu vi The Greatest Showman e gostei muito. Sei que é medíocre e que, novamente, Pasek & Paul serão premiados por um trabalho bem aquém. Mas eu gostei mesmo assim, é um filme que eu vou rever várias vezes, porque eu adorei as músicas, tem o Hugh Jackman naquilo que ele faz de melhor, que é cantar e dançar, e tem também a Zendaya e o Zac Efron e eu amo todo o elenco e eu me diverti horrores.
Também comecei a ver Troll Hunters em inglês - e isso me mata porque o dublador do Jim era o Anton Yelchin, que era meu crush e eu amava. Mas também tem o Steven Yeun e eu amo o Steven Yeun - comecei a ver Voltron também por causa disso, sim.
Fico contente em anunciar que meu inglês melhorou muito.
E Troll Hunters é do Guillermo del Toro e eu adoro as obras dele. Mal vejo a hora de assistir a The Shape of Water.... Gimme that sexy Fishman!!!!


Afora isso... A vida tem seguido no mesmo marasmo de sempre. Eu tenho alguns planos e tal, mas ainda estou de ressaca do ano passado (emocionalmente falando, porque vocês sabem que eu não bebo, non?).
Soube que fui destaque do Onigiri Quase Prédio, mas estava tão sem cabeça pra nada que só fui ver isso hoje.... Acontece que o Onigiri tá fora do ar?????
Eu estava tão cheia de curiosidade pra ver o que estão falando deste desastre de blog! HAHAHAHAHAHA
Esperem uma edit sobre isto. Mas, sério, estar no Onigiri Quase Prédio é quase como realizar o sonho da pré-adolescência! HAHAHAHAHA
Enfim, essas são as novidades - kinda.
Eu vou tentar aparecer mais vezes. O layout deve ficar pelos próximos 2 meses, sem dúvida tho.
Cuidem-se todes!
Kisus


Marcadores: , , ,